domingo, 12 de setembro de 2010

Ultrapasso

Ultrapasso
e o sangue escorre, a lágrima bale
e cintilante dança, pelos lagos de seus olhos.

Ultrapasso na penumbra,
na doce cilada em que nos colocamos,
no molde do meu corpo no seu.

Ultrapasso e marco
e que de agora em diante não será mais
naturalmente rara.

Há que buscar sua raridade noutro canto,
mas quedo tranqüilo,
que já possui o encanto.
Resta apenas coroá-lo,
como merece.

Eis completa.
Eis completo,
já pode sorrir
mais um passo,
nos seus traços de mulher.

4 comentários:

Aline disse...

Nossa, maravilhoso!

Mais um passo com certeza, só o início com certeza...

Beijos!

Dúvidas? disse...

Que bom que o sr continua postando!

Ótimo!!

Hasta!!

Spike! disse...

Hmmm... great stuff, bro.

Sério, gostei mesmo.

E QUE POSTE MAIS REGULARMENTE! ò_ó

Brenda de Oliveira disse...

Aaah, eu quero ouvir! ^^
Curiosa nata!

(agora que fui ver seu recado, pira?)